Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Dispositivo oclusor percutâneo para fechamento de forame oval patente por síndrome de Platipneia-ortodeóxia e embolia paradoxal:relato de caso

Ivna Girard Cunha Vieira Lima, Ludhmila Abrahão Hajjar, Rodrigo de Paiva Muniz Ferreira, Fabio Sandoli de Brito Jr, Roberta Saretta, Fábio Biscegli Jatene, Roberto Kalil Filho
HOSPITAL SIRIO LIBANÊS - - - BRASIL

 

Introdução

O forame oval patente (FOP) está relacionado com uma série de complicações clínicas, dentre as quais destacamos a Síndrome de Platipneia-Ortodeóxia (SPO) e embolia paradoxal (EP). A SPO é caracterizada por dispneia e hipoxemia com a mudança deposição de decúbito para ortostase.  A EP é definida como a documentação de embolia em território arterial em paciente sem outra causa definida. 

 

Relato de Caso

Homem, 80 anos, com antecedentes de doença coronariana obstrutiva, foi internado para realização de cirurgia de revascularização. Foi realizada cirurgia sem circulação extracorpórea e durante o intraoperatório apresentou episódios de hipoxemia, a despeito de ajuste da ventilação mecânica.  Ao despertar, constatou-se hemiparesia e ao elevar o decúbito, apresentou episódio de hipoxemia grave e desconforto respiratório com posterior rebaixamento do nível de consciência e necessidade de nova intubação. Em USG transcraniana com pesquisa de embolização encefálica, foi observada passagem de grande quantidade de solução salina agitada, sugestiva de comunicação D-E. Considerando a hipótese de shunt intracardíaco D-E, como provável mecanismo para hipoxemia e embolização paradoxal, realizou-se novo ecocardiograma, que revelou septo interatrial redundante com passagem anômala de grande quantidade de contraste ecográfico sugestivo de FOP. Logo, foi proposto o fechamento do FOP por via percutânea. Após, o paciente evoluiu com desmame de ventilação mecânica e alta da unidade.

 

Discussão

 

A maioria dos FOPs são assintomáticos e a presença de sintomas é relacionada ao desenvolvimento de shunt D-E, resultante de situações que aumentem a pressão nas câmaras cardíacas direitas. Estimativa observou que a maioria dos casos atribuídos a SPO estão relacionados a presença de shunt intracardíaco. Em adultos que apresentam FOP, a suspeita da síndrome deve estar associada a um processo fisiopatológico adicional como alterações mediastinais, aneurisma de aorta ascendente e cifose, que possam levar a rotação cardíaca e estiramento do septo levando a abertura do FOP e maior shunt.  A identificação do FOP e do shunt D-E, somado aos achados descritos no USG transcraniano reforçaram a associação do FOP com o AVC isquêmico.O desenvolvimento de AVC criptogênico é frequentemente vista em pacientes com FOP.O tratamento padrão do FOP envolve o implante percutâneo de um dispositivo oclusor.A SOP deve ser considerada no diferencial de hipoxemia persistente sem etiologia definida e a EP como etiologia de acidente vascular isquêmico em pós-operatório de cirurgia cardíaca.

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

20 a 22 de junho de 2019
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil