Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Perfil epidemiológico dos pacientes ambulatoriais de cardiologia - Experiência PINNACLE

Karine Corcione Turke, Camille Corcione Turke, Giulia Matiusso Zumbano, Rafaela Mota Marcondes, Luiza Simão dos Santos, Caio Cesar Ferreira Fernandes, João Fernando Monteiro Ferreira, Antonio Carlos Palandri Chagas
Faculdade de Medicina do ABC - Santo André - São Paulo - Brasil

INTRODUÇÃO: A doença cardiovascular é a principal causa de morbimortalidade em nosso meio. Entender o perfil epidemiológico dos pacientes com doença cardiovascular estabelecida atendidos em uma determinada região é importante para traçar metas focadas tanto no âmbito preventivo quanto no terapêutico

 

OBJETIVO: Descrever o perfil epidemiológico dos pacientes atendidos em ambulatório de cardiologia através da experiência PINNACLE, bem como relacionar a ocorrência de infarto agudo do miocárdio (IAM) com os diversos fatores de risco cardiovasculares.

 

MÉTODOS: Estudo observacional, transversal. Variáveis categóricas foram descritas por frequência e porcentagem. Após teste de normalidade de Shapiro-Wilk, variáveis contínuas foram descritas por média e desvio padrão ou mediana e percentis a depender da normalidade. Foi realizada análise univariada e posterior análise multivariada por regressão logística para evidenciar quais fatores de risco tinham relação com o IAM. Estudo realizado de acordo com a Declaração de Helsinki para pesquisa em humanos.

 

RESULTADOS: Foram incluídos 156 pacientes. 56.12% era do sexo feminino; a mediana de idade foi 68 anos; 83.87% apresentava hipertensão, 37.41% diabetes, 40.64% dislipidemia (DLP); 10.96% teve AVC; 7.74% tinha insuficiência cardíaca (IC) e 32.9% dos pacientes foi tabagista em algum momento da vida. 25.16% dos pacientes já haviam infartado. Após análise multivariada, o tabagismo (OR: 3.784, IC:1.394-10.272, p=0.009) e o uso de estatinas (OR: 2.869, IC: 1.452-5.669, p=0.002) estiveram relacionados com a ocorrência de infarto.

 

DISCUSSÃO: O perfil dos pacientes mostra um população com alta prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares, principalmente o infarto. O tabagismo é um fator de risco conhecido para a doença aterosclerótica e por consequência o IAM. Por outro lado, muitos pacientes que infartam utilizam estatinas, o que explica a relação positiva.

 

CONCLUSÃO: O estudo do perfil epidemiológico dos pacientes é importante para traçar estratégias de prevenção primária e secundária em nosso meio.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

20 a 22 de junho de 2019
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil