Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

O uso de alfa-bloqueador na angina vasoespástica de difícil controle - Relato de caso de experiência bem sucedida

IURI RESEDÁ MAGALHÃES, FERNANDO GARCIA SCARPANTI, ARTHUR ANGELO ZOGHEIB PINATTO, THIAGO ALVES DE CARVALHO, LUIS HENRIQUE WOLFF GOWDAK, BRUNO MAHLER MIOTO, LUIZ ANTONIO MACHADO CÉSAR
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução: A angina vasoespástica é um diagnóstico de exclusão cuja manifestação clínica sobrepõe-se à doença arterial coronariana.  A etiologia desse tipo de angina é mal definida, o que dificulta a farmacoterapia direcionada. O tratamento com bloqueadores dos canais de cálcio (BCC) torna-se uma opção nesse grupo de pacientes, porém nem todos paciente experimentam o benefício dessa terapia. Na prática clínica, o manejo dessa população torna-se desafiador.  

Relato de Caso: Paciente, sexo feminino, 48 anos. Relato de dor torácica e palpitações esporádicas desde os 30 anos. Internada em hospital geral por ter apresentado duas paradas cardiorrespiratórias precedidas de dor precordial típica de forte intensidade.  Encaminhada para centro de referência em cardiologia para avaliação.  Durante internação, apresentava dor torácica típica diariamente. Em investigação cardiológica, exame físico, ECG, RNM e ECOTT sem alterações.  Holter 24h com evidência de infradesnivelamento do segmento ST relacionado com aumento da frequência cardíaca compatível com isquemia. Apresentou quadro de dor torácica típica de forte intensidade e encaminhada para cateterismo. Admitida em hemodinâmica com dor e ECG com supra em DII, DIII e aVF. Em CATE apresentava evidência de espasmo triarterial. Após nitroglicerina intra-coronária teve reversão do espasmo. Visto irregularidades em coronária direita e circunflexa, com lesão de 30% em descendente anterior. Recebeu alta hospitalar em ajuste de bloqueadores de canal de cálcio. Em retorno ambulatorial,  encontrava-se sintomática, angina CCS 3, diária e idas a unidades de emergência, porém sem isquemia ou injúria miocárdica pelo ECG ou laboratorial. Paciente recorria com sintomas de angina diariamente com impacto em qualidade de vida.  Realizado tentativas de ajuste medicamentoso com drogas do grupo de BCC, nitrato de ação prolongada e de curta duração, trimetazidina. Em dezembro de 2017, associado alfa-bloqueador (tansulosina). Reavaliada 30 dias após, referindo melhora de sintomas, com redução da frequência de episódios anginosos. Em 2018 manteve-se sem necessidade de idas ao pronto socorro.

Conclusão: O espasmo coronariano pode manifestar-se em amplo espectro clinico, podendo cursar com angina e até mesmo morte súbita. Em geral, o tratamento da angina vasoespástica deve ser orientado por fatores específicos do paciente, como tolerabilidade, efeitos adverso e interações medicamentosas. O uso de alfa-bloqueadores pode ser uma opção visto a fisiopatologia da doença.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

20 a 22 de junho de 2019
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil