Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

DIAGNÓSTICO DE AMILOIDOSE CARDÍACA PELA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EM PACIENTE IDOSO

DAVI ALBERTO ZAGONEL, BEATRIZ RODRIGUES ANTONIO, ALFREDO VON EYER, CIBELE GONTIJO LOPES, MARIA LETICIA GABARDO, LORENA SQUASSANTE CAPELINE, MARLY UELLENDAHL
DASA - SÃO PAULO - SÃO PAULO - BRASIL, UNIFESP - Univers. Federal de São Paulo - São Paulo - SP - Brasil, UNICID - SÃO PAULO - SÃO PAULO - BRASIL

INTRODUÇÃO 

A amiloidose decorre do depósito em diversos órgãos, como coração, de proteína amiloide, podendo levar a comprometimento do órgão acometido.

 

Os principias subtipos que que acometem o sistema cardiovascular são amiloidose primária (AL), a familiar (AF) e a transtirretina (TTR). Podendo ocorrer em qualquer estrutura cardíaca, como no miocárdio, valvas, coronárias, especialmente na microvasculatura, sistema de condução e pericárdio2

A amiloidose é rara, prevalência estimada de 8 a 12 por milhão. Esses casos são subdiagnosticados, podendo estar associado à insuficiência cardíaca com FE preservada, estenose aórtica e fibrilação atrial.

 

RELATO DE CASO

Paciente A.G., masculino, 74 anos, nega tabagismo ou comorbidades. Iniciou há cinco anos quadro de episódios recorrentes de dispneia aos esforços de caráter progressivo e edema de membros inferiores, necessitando frequentemente buscar atendimento médico, referindo algumas internações, porém sem definição diagnóstica nem controle ambulatorial da doença. Em uma das internações, evidenciou-se hipertrofia de ventrículo esquerdo e sinais de cardiomiopatia restritiva de etiologia indeterminada. Realizado ressonância cardíaca, evidenciando aumento biatrial, função sistólica biventricular preservada. Na avaliação do realce tardio (figura 1 e 2), apresenta do prolongamento do tempo de inversão do gadolínio no miocárdio de forma heterogênea, predomínio subendocardico e subepicárdico do ventrículo esquerdo envolvendo também as paredes do ventrículo direito e biatrial. Os achados são altamente sugestivos de amiloidose cardíaca. O diagnóstico foi confirmado por biópsia miocárdica. 

CONCLUSÃO 

Os métodos diagnósticos envolvem desde o ECG com bloqueio de ramo esquerdo, até exames de imagem como o ecocardiograma que poderá apresentar aumento concêntrico da espessura miocárdica, aumento biatrial, disfunção diastólica, cardiomiopatia restritiva nas fases mais avançadas da doença. Ressonância cardíaca que permite reconhecer melhor o envolvimento cardíaco pela amiloidose através do realce tardio, mais frequentemente difuso. Porém, o diagnóstico definitivo é através da biopsia endomiocárdica. Uma vez reconhecida o tipo de amiloidose, o tratamento deverá ser iniciado, envolvendo desde o uso de diuréticos até transplante cardíaco. 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1Semele, Vinicius Bocchino, et al. Amiloidose Cardíaca: Relato de Caso Rev bras ecocardiogr imagem cardiovasc. 2012;25(3):225-22 

2Kasper, DL. et al. Harrison Medicina Interna, v.2. 16ª. Edição. Rio de Janeiro: McGraw­Hill, 2006.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

40º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

20 a 22 de junho de 2019
Transamerica Expo Center | São Paulo - Brasil